Hobbits são criaturas mais baixas que os anões, gostam de morar em tocas, de tomar chá pontualmente e de receber visitas em casa. Eles não precisam de sapatos porque seus pés já oferecem uma casca bem grossa e até alguns pelos em cima, para que sua caminhada seja confortável (não que eles caminhem muito). Hobbits são caseiros e odeiam aventuras... Bom, pelo menos até a geração de Bilbo Bolseiro, um hobbit especial, que foi convidado pelo grande mago Gandalf a participar de uma grande aventura em busca do tesouro perdido da família do anão Thorin Escudo de Carvalho. O problema estava justamente onde a riqueza roubada de Thorin estava. O ouro era guardado por ninguém menos que um dragão de nome Smaug.

Publicado originalmente em 21 de setembro de 1937, o início da saga dos hobbits aventureiros foi iniciada com uma história quase romântica, quando comparada ao clássico O Senhor dos Anéis, do inglês J. J. R. Tolkien. Na época do seu lançamento, O Hobbit foi aclamado pelo público e pelos críticos e atualmente já vendeu aproximadamente 100 milhões de exemplares no Brasil. O que para uma obra de fantasia estrangeira, passa da média nacional.



Tolkien é considerado um dos pioneiros do que se chama de high fantasy (ou alta fantasia), junto a C.S. Lewis (As Crônicas de Nárnia), que lançou suas obras entre os anos de 1950 e 1956. Nos cinemas, o escritor britânico bate recorde de premiação quando o assunto é a adaptação cinematográfica da série O Senhor dos Anéis. A trilogia, que foi dirigida por Peter Jackson, levou pra casa mais de uma dezena de estatuetas do Oscar. Entretanto, a adaptação cinematográfica de O Hobbit (que se tornou uma trilogia) ficou com premiações zeradas, mesmo que Jackson tenha se esforçado para levar alguma coisa, mesmo que fosse em efeitos especiais.

A obra literária foi escrita originalmente para o público infanto-juvenil, mas a história é atemporal e necessária para qualquer leitor fã de literatura fantástica. Tolkien é um escritor que gosta de detalhes. Apesar de fluir rápido, o volume que conta a história de Bilbo Bolseiro é extremamente minucioso quando o assunto é descrição de cenários e figurinos. Tolkien conta as aventuras da jornada de uma forma leve e fácil de entender (até porque teria que ser de fácil acesso para o público alvo).

Assim como Jane Austen com seus romances de época, Tolkien era um escritor a frente do seu tempo. Ele criou um mundo com aventuras atemporais, mesmo que com valores diferentes do nosso universo, e conseguiu atingir todos os público por anos. Tornou-se um clássico do século e continua vendendo milhões de livros pelo mundo inteiro. Seu legado se encerrou no ano de 1973, aos 81 anos, na Inglaterra.    

Um Comentário

  1. Eu tenho que ler mesmo! AMO Senhor dos Anéis, tenho que ler O Hobbit <3

    www.arosadoprincipe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua opinião!
Com ela posso melhorar o BHCB para VOCÊ! (: