Para os preguiçosos... agora temos vídeo-resenha! Simmmmm! A nossa Karol agora botou a cara no sol e conta ao vivo e a cores o que achou desse sucesso! Curtam, compartilhem e comentem!


Coraline (sim, não é Caroline) é uma menina que gosta de aventuras. Ela morre de tédio só de pensar em passar o dia dentro da casa em que moram seus pais sem fazer nada. Ficar entre paredes é quase como uma tortura para ela. Seu desejo mesmo é explorar. Gosta de sair do seu lar para conhecer o que tem ali fora. Gosta de conversar com duas senhoras que moram no andar de baixo do conjunto de apartamentos onde foi morar recentemente e também escuta algumas histórias malucas sobre os ratos do Senhor Bobo, que mora no andar de cima. O problema é que Coraline explorou demais e acabou descobrindo o que não queria.

Uma porta foi o que ela descobriu. Aparentemente era só uma ex-passagem para o apartamento ao lado, que estava coberto de tijolos. Não havia nada ali a não ser a porta. Mas na primeira oportunidade que teve de pegar as chaves quando sua mãe saiu de casa, Coraline descobriu que os tijolos haviam desaparecido e que ela conseguira entrar em um vão escuro que dava passagem para um plano não muito seguro para uma criança. Do outro lado parecia igual a sua casa, mas havia outra mãe, outro pai. Esses tinham botões no lugar dos olhos e queriam que Coraline entrasse para sua família a chamando de "querida" e afirmando sentir saudades.  
Neil Gaiman é um britânico vivendo nos Estados Unidos que gosta (e faz o trabalho muito bem) de escrever quadrinhos e brincar de roteirista com seus próprios trabalhos. É mais conhecido pela sua obra Sandman. Para escrever, ele também adota a forma de romance de histórias de suspense para crianças e jovens. Em Coraline, o leitor é levado a acreditar que Gaiman criou ao lado de Tim Burton, mas ao contrário do que todos pensam, o diretor não tem nada a ver com a produção. Quem dirigiu a adaptação cinematográfica da obra foi Henry Selick, em 2009. O filme é no estilo stop motion é considerado um clássico infantil cinematográfico. 

O público alvo do autor é o infanto-juvenil, mas não chega nem perto de uma história boba que duvida da inteligência da criança e do adolescente. A obra, muito pelo contrário, estimula e acredita que esse público é muito mais esperto do que a gente imagina e Gaiman sabe disso. Apesar de ter uma narrativa simples e leve, Neil consegue deixar os diálogos intensos e complexos para quem os lê, seja criança, adolescente ou adulto. 

A primeira edição de Coraline foi lançada em 2003 aqui no Brasil, pela Editora Rocco. Uma história que poderia muito bem ser contada para adultos, mas que se encaixa muito bem para crianças e adolescentes. Visto como um clássico do gênero, Coraline tem muito mais a ensinar para adultos do que para o seu público alvo. Neil Gaiman é um autor que merece ser aclamado por todas as suas obras, tanto romances como quadrinhos. 

Um Comentário

  1. Ai, mulher, o filme eu já vi e AMEEEEEEEI. Assisto mil vezes! O livro eu nunca li, tenho a impressão de que é macabro... Meu boy leu e gostou muito!

    Super curti a resenha da Kah!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua opinião!
Com ela posso melhorar o BHCB para VOCÊ! (: